domingo, 30 de outubro de 2016

Lazy day=Família

Já aqui falei várias vezes, que dou muito valor à família, e aos Domingos as refeições são para serem feitas juntos, família reunida, conversa em dia!Isso mesmo, para mim, estes momentos são únicos, perfeitos mesmo, só o facto de ter as pessoas que eu gosto reunidas me deixa feliz,infelizmente nunca tenho os meus pais comigo, como estão no Alentejo, só fazemos algo deste género quando eu vou lá.
Domingo é mesmo Lazy day! :)
Beijinhos e boa semana.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Quando o respeito para vai além do nada.

Só queria perguntar e se fosse com vocês?Ou com a vossa mãe, namorada.... E se fosse com algum familiar vosso?
É uma falta de respeito não ceder lugar a pessoas idosas e com dificuldades motoras, uma grávida ou a crianças de colo, e nesse momento todo o mundo fica cansado e começa a adormecer?!Onde esta o respeito?O pior é quando se sentam nos "lugares próprios para essas pessoas" e viram a cabeça como se não estivessem a ver???!!E quando são jovens com apenas medíocres  meia-dúzias de anos que coitadinhos estão super cansados e até fingem que estão a dormir?
Depois é ver gravidas e idosos em pé, ninguém se mexe, todos ficam a olhar e ninguém cede o lugar, e o motorista nada diz, o  autocarro continua no seu percurso....E o respeito?Esse fica para o telemóvel.

P.S;Se estivesse sentada daria o meu lugar, até porque hoje eles, amanhã sou eu,
Beijinhos.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

E quando a vítima não quer ser ajudada??

Hoje em dia falamos muito sobre a violência doméstica (verbal ou física) , o bullyng, os maus tratos as crianças, e os abusos sexuais, mas.... e se a pessoa que está a passar por isto não quer ser ajudada e inventa mil e uma desculpas para tal?
No meu secundário tínhamos uma colega na turma que tinha o seu grupinho de amigas e pouco ou nada falava para as restantes colegas, andava sempre a falar ao telemóvel,  não falava com rapazes, aliás baixava a cabeça  quando passava por algum, nunca ia a visitas de estudo ou a algum divertimento que pudesse haver pessoas do sexo oposto, e nunca queria ser fotografada, porque "o pai não queria"
Perante esta situação a mãe foi chamada à escola, e ela disse que tanto o marido como ela já não sabiam o que fazer, a filha namorava com um rapaz que era muito ciumento e não deixava a rapariga respirar.
Ela não usava saia, ou calções, e muito menos usava blusas de alças no Verão, era muito constrangedor ver que alguém se sujeitava a este tipo de coisas, e nós as raparigas da turma tentámos ajudá-la onde ela nos diz que "não sofria de nada, que o namorado era muito bom para ela" e mais não sei o quê.Colegas minhas viram várias vezes o namorado dela em bares,ela estava em casa, e quando lhe disseram essas minhas colegas ainda passaram por mentirosas e que queriam estragar o seu futuro.
Nos finais de cada período escolar, o último dia íamos lá mas básicamente não fazemos nada, marcávamos presença e pronto, nesses dias a rapariga nunca ia, estava sempre doente.
Ele ia levá-la à escola, e quando a deixava, mal ela começava a subir as escadas,  ligava-lhe.
Tentá-mos ajudar, e uma vez mais, éramos malucas e queríamos acabar com o seu relacionamento.

Como vim para Lisboa, deixei de ter ligações com ela, mas ela sofria de alguma coisa não estou a dizer física, mas sim verbal, nunca se soube o resultado, ela escondia-se e no fim dizia que nós éramos malucas, nunca se conseguiu ajudar, mesmo a psicóloga da escola, não conseguiu entrar no problema a fundo, mas havia algo de muito grave naquela relação.

E eu volto a perguntar, e quando é a vítima que não quer ser ajudada?!
Nós colegas, passámos por mentirosas, impostoras, e queríamos que ela não fosse feliz, que lhe estávamos a estragar o futuro, onde se via a léguas que ela precisava de ajuda e não queria ser ajudada.

Quantos milhares de pessoas existem neste mundo que inventam mil e umas desculpas, mas que no fundo toda a gente sabe que ela está em sofrimento?
Quantas?
Beijinhos

domingo, 23 de outubro de 2016

Domingo...

É para ser dedicado à família, aos almoços que se prologam quase até ao lanche, às conversas de antigamente que acabam sempre com toda a gente rir até lhe doerem a barriga, e à paparoca que por ser Domingo tem um outro sabor, sabor a família e a união e claro a ementa é mais requintada.
Por mim deviam ser todos os dias Domingo, não me importava mesmo nada, porém passam a correr e chegamos ao fim do dia com o dever cumprido, e com a barriga mais que satisfeita,
Bom Domingo.
Beijinhos.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

É sexta-feira por isso...

Vamos fazer um jogo?! Vão dizer uma característica vossa com a primeira letra do vosso nome. 
Começo eu. 
V-verdadeira(às vezes até demais). 
Agora vocês.
Beijinhos.